Este blog vai estar temporariamente sem atualização.
Acesse: www.policialbr.com para site atualizado

DO SOLDADO AO CORONEL, UNIDOS PELA PMESP!

DO SOLDADO AO CORONEL, UNIDOS PELA PMESP!

DO SOLDADO AO CORONEL, UNIDOS PELA PMESP!

DO SOLDADO AO CORONEL, UNIDOS PELA PMESP!

ALERTA GERAL - CONVOCAÇÃO - UU

ATENÇÃO

Mostrando postagens com marcador GO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador GO. Mostrar todas as postagens

2 de set de 2014

Justiça avalia caso de menino de 9 anos jurado de morte por traficantes

Conselho Tutelar pediu a suspensão do poder familiar da mãe da criança.
Garoto tem registro de 20 passagens por furto, roubo e tráfico, em Goiânia.


O Conselho Tutelar requisitou à Justiça de Goiás, na segunda-feira (1º), a suspensão do poder familiar da mãe de um menino de 9 anos que, segundo conselheiros, é jurado de morte por traficantes em Goiânia. Apesar da pouca idade, a criança já tem registro de 20 passagens por crimes como furto, roubo e tráfico de drogas. O caso dele é acompanhado desde 2008 pelo Conselho Tutelar da capital e agora será avaliado também pelo Ministério Público e pelo Poder Judiciário.
Segundo a juíza Mônica Neves Soares Gioia, do Juizado de Infância e Juventude, o pedido do Conselho ainda será avaliado. “A gente vai analisar, visitar a casa, o Ministério Público vai falar nos autos. Porque é uma medida muito drástica, tudo tem que ser pensado e as providências tomadas no momento adequado”.
No sábado (30), o garoto foi internado, pela quarta vez, em um abrigo onde deveria permanecer na companhia da mãe, por ordem da Justiça. Entretanto, ambos ficaram apenas três horas no local e fugiram.
De acordo com o Conselho Tutelar, desde os três anos a criança tem um histórico de indisciplina, evasão escolar, furto e envolvimento com drogas. Os conselheiros suspeitam que a mãe também esteja envolvida com entorpecentes.
De acordo com a juíza, providências estão sendo tomadas para proteger o menino. Porém, ela não informa quais são as medidas adotadas. “Eu não posso noticiar porque eu colocaria em risco a própria integridade física dele”,  explica.
Menino de 9 anos é jurado por traficantes e tem 20 passagens na polícia, em Goiânia, Goiás (Foto: Cristina Cabral/O Popular)
Menino de 9 anos é jurado por traficantes e tem 20 passagens na polícia (Foto: Cristina Cabral/O Popular)
Do G1 GO

Juíza acha que não errou ao soltar Cadu: 'Tomei todas as precauções'

Acusado de matar cartunista foi solto em 2013 e voltou a ser preso em GO.
Ele é suspeito de envolvimento em dois assaltos, um deles com morte.


Juíza Telma Aparecida Alves diz que Cadu era acompanhado: 'Não tenho como prever' (Foto: Paula Resende/G1)Juíza Telma Aparecida diz que Cadu era
acompanhado (Foto: Paula Resende/G1)
A juíza Telma Aparecida Alves, da 4ª Vara de Execuções de Goiânia, disse acreditar que não houve erro ao conceder liberdade, no ano passado, a Carlos Eduardo Sundsfeld Nunes, de 29 anos, conhecido como Cadu, assassino confesso do cartunista Glauco Vilas Boas e do filho dele, Raoni Vilas Boas. "Tomei todas as precauções que estavam ao meu alcance, os relatórios, os laudos médicos. Não acho que houve um erro", afirmou em entrevista coletiva nesta terça-feira (2).
Cadu, que estava livre desde agosto de 2013 após ser diagnosticado com esquizofrenia, foi preso novamente na segunda-feira (1º), na capital, suspeito de um latrocínio e uma tentativa de latrocínio. "Não tenho como prever o comportamento dos presos que cumprem medida de segurança, infelizmente aconteceu", afirmou a juíza.
A magistrada rebateu a crítica do advogado Alexandre Khuri Miguel, que defende os interesses de Beatriz Galvão Veniss, viúva de Glauco Vilas Boas e mãe de Raoni Ornelas, assassinados em 2010, em Osasco (SP). Ele disse que “ao soltar Cadu, a juíza escreveu a crônica de uma morte anunciada e permitiu uma nova morte”.  Telma afirmou que “lamenta muito que ele tenha esse posicionamento”. “O juiz toma as decisões com base em fundamentos, documentos, atestados. O judiciário toma atitudes conforme a legislação”, disse ao G1.
A juíza ressaltou que Cadu era acompanhado mensalmente pela Justiça de Goiás e que "a vida dele estava controlada". "Ele fazia faculdade de psicologia e estava trabalhando como limpador de piscina. Ele foi a várias casas e não houve nenhum problema. Antes, ele chegou a trabalhar em uma empresa de telefonia, mas quando foram assinar a carteira de trabalho, viram que ele cumpria medida de segurança e não o contrataram", destacou a magistrada.

Cadu continuava a fazer tratamento contra esquizofrenia na rede pública de saúde do estado. A informação foi confirmada ao G1 pela superintendente de Políticas de Atenção Integral à Saúde, da Secretaria Estadual de Saúde de Goiás, Mabel Bel Socorro. No entanto, diferente do que disse a juíza, a superintendente afirma que ele comparecia a um Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de três em três meses.“Temos registros de que ele continuava frequentando o Caps e, segundo a família, tomava a medicação corretamente e até estava trabalhando”, afirmou.

Mabel diz que, logo após ser transferido para Goiânia, o jovem foi incluído no Programa de Atenção Integral ao Louco Infrator (Paili), pelo qual passou por tratamento em uma clínica psiquiátrica. “Foram feitas avaliações médicas que comprovaram que ele não precisava ficar recluso e ele foi encaminhado para o atendimento ambulatorial. A junta Oficial do Poder Judiciário também entendeu que ele poderia voltar ao convívio social, em agosto de 2013", disse.

Sobre os novos crimes pelos quais Cadu é suspeito, a juíza Telma Aparecida explicou que ele será indiciado como um criminoso comum. No entanto, em função da esquizofrenia, ele poderá ser absolvido.
“Ele vai ser levado a julgamento pelo juiz criminal. O juiz deve pedir novos laudos, até porque ele já é paciente de medida de segurança. Se, por acaso, o laudo atestar que no momento da conduta ele tinha condição de perceber o que estava fazendo, o juiz pode vir a condená-lo. Se ficar atestado que ele estava com algum distúrbio mental, poderá ser aplicada a medida de segurança novamente”, explicou a magistrada.
Cadu e comparsa presos pela polícia com carro roubado, em Goiânia (Foto: Paula Resende/G1)Cadu segue detido em delegacia de
Goiânia (Foto: Paula Resende/G1)
Tratamento
A superintendente explica que os pacientes atendidos pelo programa, sejam eles suspeitos de crimes, ou não, sofrem de doenças psiquiátricas e recebem a mesma atenção. “Toda pessoa que sofre com essas doenças podem cometer crimes, por isso não existem distinção na rede de saúde. Muitas pessoas defendem os manicômios psiquiátricos, que são aqueles em que os pacientes ficam reclusos para o resto da vida, mas isso não é o ideal. A pessoa precisa ser tratada, não adianta ficar presa e continuar doente. Quando ela está bem, pode sim voltar ao convívio social, desde que mantenha o tratamento pelo tempo necessário”, ressaltou.
Mabel destacou que o Paili já tem 10 anos de atividades em Goiás e, dos 425 pacientes atendidos durante esse período, apenas dois, incluindo Cadu, voltaram a ser suspeitos de cometer crimes. “Nesse programa equipes multidisciplinares, formadas por psicólogos, psiquiatras, advogados, entre outros, fazem a avaliação mental e social do paciente. De todos os nossos atendimentos, apenas dois voltaram a ser suspeitos de reincidir em crimes. Sendo assim, é preciso ressaltar que o programa é eficiente”, destacou.
Prisão
Cadu foi preso na tarde de segunda-feira (1º), após uma perseguição policial em Goiânia.De acordo com o delegado Thiago Damasceno, ele dirigia um carro roubado quando foi abordado. Esse veículo havia sido levado durante o assalto no Setor Bueno, na noite de domingo (31), quando um jovem de 21 anos foi assassinado.
O delegado Thiago Damasceno diz que, na segunda-feira, notou o veículo em que estava Cadu em atitude suspeita e decidiu seguí-lo. “Eu tinha a placa e as características do Honda Civic que foi roubado no domingo de um jovem de Goianésia. E hoje, dirigindo pela cidade, eu avistei esse carro e comecei a persegui-lo. Eu pedi ajuda de um guarda municipal. Ao perceber que estava sendo seguido, ele subiu na calçada e tentou fugir, mas acabou batendo no muro e foi rendido”, disse o delegado ao G1.

Segundo ele, Cadu atirou contra os policiais, mas ninguém se feriu. Em seguida, o suspeito tentou fugir, mas foi rendido por policiais militares que passavam pelo local. Com ele, a polícia apreendeu um revólver calibre 38 prateado, mesma descrição da arma que matou o rapaz.
Carlos Eduardo Sundfeld Nunes foi preso suspeito de latrocínio em Goiânia, Goiás (Foto: Divulgação/PM)Cadu estava machucado quando foi preso em
Goiânia (Foto: Divulgação/PM)
Crimes
Cadu é suspeito de envolvimento na tentativa de latrocínio de um agente prisional, de 45 anos, no último dia 28, no Setor Bueno. Câmeras de segurança registraram o momento em que, segundo a Polícia Civil, Carlos Eduardo foge após atirar na vítima.

Nas imagens divulgadas pela polícia goiana, é possível perceber o momento em que um homem desce de um Honda City e caminha pela Rua T-28, na capital. Para o delegado Thiago Damasceno, o rapaz que aparece nas imagens é Cadu.
No vídeo, é possível perceber quando uma VW Saveiro para no meio da via. De acordo com as investigações, nesse momento, o suspeito deu voz de assalto. O agente prisional reagiu e foi baleado na cabeça. Depois, o criminoso volta correndo em direção ao carro que o dava cobertura durante a ação. Segundo a corporação, duas pessoas reconheceram Cadu como sendo o autor dos disparos contra o agente prisional. A vítima foi socorrida e encaminhada para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo).

O Hugo informou, nesta manhã, que agente prisional segue internado em estado grave, na Unidade de Terapia Intensiva do hospital e respira com a ajuda de aparelhos.

Cadu também é suspeito de envolvimento em um latrocínio contra um jovem de 21 anos, no último domingo (31), no Setor Bueno, em Goiânia. A vítima havia deixado a namorada em casa, quando foi abordada por dois homens, que deram voz de assalto. Um dos criminosos atirou contra o rapaz, que morreu ainda no local. Os assaltantes fugiram levando o carro roubado.
O delegado afirma que o jovem negou ter cometido os crimes, mas admitiu ter conhecimento de que o carro em que estava quando foi preso, um Honda Civic, era roubado. "Ele parece mais ser dissimulado do que deficiente mental. Creio que ele não tem condições de viver em sociedade", destacou.
Do G1 GO

30 de ago de 2014

Aplicativo de celular ajuda polícia a resgatar vítima de sequestro em GO

Homem rendeu fisioterapeuta nas proximidades de faculdade, em Goiânia.
Com comparsa, ele rodou em carro da vítima para saques, mas foram presos.


Policiais da Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam) prenderam um homem e uma mulher suspeitos de sequestrar uma fisioterapeuta, em Goiânia, na sexta-feira (29). Segundo a Polícia Militar, a vítima foi localizada por meio de um aplicativo de celular que mostrou a posição exata de onde ela estava.
A fisioterapeuta, que preferiu não se identificar, relata que foi abordada por um homem, que se apresentou como flanelinha no momento em que ela chegava à universidade onde tem aulas de pós-graduação. “Quando ele observou que eu estava sozinha, já deu voz de assalto, mandou eu entrar dentro do carro e iniciou uma ronda através de banco para poder sacar o dinheiro que eu tinha no banco, porque eu não tinha dinheiro em espécie no momento”, disse.
Segundo a vítima, a mulher comparsa do homem entrou no carro logo em depois da voz de assalto e a ficou ameaçando. “Eles [sequestradores] ficaram me xingando em vários momentos, falando que iam atirar na minha cara, que não era para olhar na cara deles”, disse.
De acordo com a polícia, os criminosos percorreram cerca de 20 km, passando por diversos bancos e shoppings para realizar os saques. Um amigo da vítima, que viu o momento em que ela foi abordada, havia acionado a polícia e os agentes usaram um aplicativo de celular, que mostra a exata localização do aparelho, para seguir os criminosos.
Ao encontrar o carro da fisioterapeuta, os agentes conseguiram fazer a prisão em flagrante dos dois suspeitos. Com eles foram encontrados uma arma, munições e um cachimbo de crack.
Com a dupla, polícia apreendeu uma arma e munições, em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Com a dupla, polícia apreendeu uma arma e munições (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Do G1 GO

25 de ago de 2014

Vestido com calcinha, suspeito de tentar estuprar mulher é detido em GO

Populares perceberam a situação e imobilizaram o jovem, que foi agredido.
Rapaz, que mora no mesmo setor da vítima, confessou o crime, diz PM.


Homem preso por tentativa de estupro estava vestido com calcinha, em Aparecida de Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/ Polícia Militar)Homem preso por tentativa de estupro
(Foto: Reprodução/ Polícia Militar)
Cerca de 10 pessoas detiveram na tarde deste domingo (24) um jovem de 24 anos suspeito de tentar abusar de uma mulher, de 40 anos, no Setor Parque Trindade I, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana. Segundo a Polícia Militar, os populares agrediram, amarram e tiraram a roupa do suspeito, deixando apenas a calcinha vermelha fio-dental que ele usava.
“Ele confessou a intenção de cometer o crime e disse que realmente usava a calcinha, que pertencia à esposa dele”, disse ao G1 o soldado da PM Mailson de Jesus Corado.
A vítima e o suspeito moram no mesmo setor. O jovem relatou aos policiais que há alguns dias estava observando a mulher e aguardava um momento de descuido. “Ela estava cuidando do jardim dela com o portão aberto. Ele partiu para cima da vítima, a agrediu com chutes e socos até agarrá-la. Ele a puxou para fora de casa para levar até uma escola em construção. Transeuntes que passavam no local perceberam a situação e socorreram a vítima”, relatou Corado.
As pessoas que perceberam a tentativa de abuso bateram no suspeito até imobilizá-lo. Segundo os militares, não foi possível identificar quem agrediu o jovem, pois, quando a polícia chegou, eles não estavam mais no local. O soldado informou, ainda, que cerca de 50 moradores da região se aglomeraram envolta do suspeito, o impedindo de fugir.
O jovem não tem passagem pela polícia. Entretanto, de acordo com Corado, “ele confessou já ter abusado sexualmente de três mulheres e que também já foi abusado”.
A polícia encaminhou o suspeito ao 1º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia, onde o caso será investigado.
Do G1 GO

16 de ago de 2014

Polícia apreende pé de maconha com quase três metros de altura em Goiás

Proprietário da erva não foi identificado até a manhã deste sábado.
Segundo delegada, planta poderia produzir meio quilo do entorpecente.


Um pé de maconha foi apreendido em uma casa de Anápolis, a 55 quilômetros de Goiânia. Segundo a delegada responsável pelo caso, Maisa Pesarini, a planta tem entre 2,5  e 3 metros de altura. O dono da erva não foi identificado até a manhã deste sábado (16).
A apreensão aconteceu em uma residência do Setor Flor de Liz, na região leste da cidade, na sexta-feira (15). O pé de maconha foi levado ao 1º Distrito Policial da cidade.
O tamanho da planta chamou a atenção da delegada. Segundo ela, com a planta é possível produzir meio quilo do entorpecente. "Geralmente nós fazemos apreensão de pequenas mudas de pé de maconha, deste tamanho é difícil de encontrar", disse.
Produzir maconha em casa é considerado crime e o responsável pode ser autuado por tráfico de drogas com pena de cinco a dez anos de prisão. O pé de maconha será periciado e em seguida incinerado.
Polícia apreende pé de maconha com quase três metros de altura em Anápolis, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Polícia apreende pé de maconha com quase três metros de altura (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Do G1 GO

14 de ago de 2014

Presos fazem vídeo enquanto furam túnel para fuga: 'Cavucando igual tatu'

Imagens postadas em redes sociais mostram os detentos rindo e festejando.
No total, 13 presidiários fugiram pela horta, na CPP de Rio Verde, GO.


Presos fogem da Casa de Prisão Provisória de Rio Verde, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Preso foge da Casa de Prisão Provisória de Rio Verde (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Detentos que cumpriam pena na Casa de Prisão Provisória (CPP) de Rio Verde, no sudoeste de Goiás, filmaram enquanto cavavam um túnel que possibilitou a fuga de 13 presidiários. Eles escaparam do local na madrugada de sábado (9). No vídeo, que foi divulgado nas redes sociais, o presidiário que faz a filmagem mostra enquanto outro preso cava o túnel e diz: “Olha o ladrão lá ó, tá no 'doze', cavucando igual tatu” (veja vídeo a baixo).Três detentos aparecem nas imagens. No início, um deles comemora a possibilidade da fuga: “Nós vai (sic) embora da CPP!”, diz. Outro completa dizendo: “É mulequinho, dar trabalho, vai invadir as pistas”.
O túnel de aproximadamente três metros liga o banheiro à horta do complexo, que fica de frente para a rua. Na madrugada de sábado, ele passaram pelo túnel, pularam um alambrado e fugiram sem ninguém perceber.
As câmeras de monitoramento da CPP também registraram o momento em que 13 presidiários conseguiram escapar.
Segundo o juiz Felipe Morais, que avalia o caso, pelo vídeo é possível notar que nenhum agente carcerário estava na parte externa do prédio quando houve a fuga. O juiz procura informações sobre quantos dias os presos levaram para cavar o túnel.
"Por certo que a revista das celas deveria ser constante. Não se sabe o prazo que esse presos demoraram para cavar esse túnel. Se foi em um prazo longo, pode ser até cogitada uma negligência do agentes de não terem entrado nas celas para fazer revistas", afirma Morais.
De acordo com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária e Justiça (Sapejus), um dos foragidos foi recuperado no dia seguinte. A secretaria afirma ainda que abriu sindicância para apurar as circunstâncias e responsabilidades da fuga e do vídeo feito pelos detentos.
Do G1 GO

12 de ago de 2014

Número de vítimas de suspeito de estupros chega a 20 em Goiânia

Entre elas está um homem, que foi obrigado a fazer sexo com outra vítima.
Polícia diz que motociclista ainda cometeu tentativa de estupro e 14 roubos.


Dennes Rafael Gomes, 30, confessou os 16 estupros, segundo a polícia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Dennes Rafael Gomes é apontado como autor de
20 estupros (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Subiu para 20 o número de vítimas que reconheceram o motociclista Dennes Rafael Gomes, 30 anos, como autor de estupros na Grande Goiânia. Ele foi preso após cometer uma infração de trânsito e ser multado. De acordo com a delegada Ana Elisa Gomes, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), entre os casos mais recentes está o de um homem, cuja idade não foi revelada, que foi obrigado pelo suspeito a manter relações sexuais com outra vítima, o que segundo a delegada, também configura abuso. Além disso, existem contra Dennes denúncia de mais um caso em que houve tentativa de estupro e 14 ocorrências roubos.
Segundo a delegada, o número de denúncias ainda deve aumentar. “No início, quando a gente divulgou o caso eram 16 vítimas. Porém, mais uma mulher o reconheceu na manhã desta terça-feira [12]. As demais vítimas também fizeram o reconhecimento, mas vão formalizar os depoimentos nesta tarde na delegacia. E outras pessoas estão entrando em contato, dizendo que quando o viram na televisão o reconheceram como sendo o seu agressor, além das vítimas apenas de crimes de roubo, onde não houve a situação de estupro”, disse.
Dennes havia confessado os primeiros 16 crimes, segundo a polícia, mas agora será novamente ouvido sobre os outros casos. Ana Elisa diz que a corporação está impressionada com a quantidade de crimes e que continua à procura de um homem de 37 anos, que seria comparsa do suspeito. “São muitos crimes atribuídos a uma única pessoa, na verdade quando a gente fala assim é claro que ele teve um parceiro. Mas o grande autor mesmo, aquele que executou os crimes de estupro, executou os crimes de roubo, foi ele. Então realmente são muitos delitos”, destacou Ana Elisa.
As investigações revelaram que o modo de agir do criminoso era semelhante em todos os casos e que não há indícios de premeditação. “Ele praticava o crime pela oportunidade, quando via que o comércio estava sem movimento. Até por isso ele não se preocupou com câmeras de segurança e prováveis testemunhas. Também não batia nas vítimas, apenas usava de ameaças. Ele era muito frio”, disse a titular da Deam.
Ana Elisa ressaltou que as vítimas que surgirem ao longo das investigações precisam formalizar as denúncias. “É muito importante que essas outras vítimas procurem a delegacia e registrassem a ocorrência, pois a gente tem que dar ao Dennes a sua devida responsabilidade. Ele precisa pagar pelos crimes que praticou”.

Prisão
Dennes é suspeito de estuprar 20 pessoas, com idade entre 12 e 45 anos, entre março e julho deste ano em Goiânia, Aparecida de Goiânia e Trindade, na Região Metropolitana da capital.
Polícia localizou Dennes após imagem de multa de trânsito em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)Dennes foi localizado após cometer infração e ser
multado (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)
A delegada explicou que ele foi preso depois que uma testemunha anotou a placa da motocicleta que ele usava para cometer os abusos. Com o número, os agentes fizeram uma busca e encontraram uma multa de trânsito registrada por um fotossensor da Avenida  T-63 com a C-107, no Setor Jardim América.

Na imagem captada pelo aparelho, o homem estava vestido com o uniforme de uma vidraçaria do Setor Sudoeste, onde o criminoso foi detido, na última sexta-feira (8). "Conseguimos fazer a prisão dele. Segundo os colegas de trabalho, uma pessoa tranquila, que não tinha uma postura ameaçadora, sempre muito simpático", relatou a delegada.
Dennes, que cumpria pena no regime semiaberto pelo crime de estupro e estava foragido, disse à polícia que não voltou ao presídio logo após receber o direito, em setembro do ano passado.
Vítimas
Segundo a investigação, Dennes cometia os crimes em diversos tipos de estabelecimentos, como panificadoras e clínicas de fisioterapia. Apenas um dos casos ocorreu em Aparecida de Goiânia, onde a proprietária de uma distribuidora de bebidas foi assaltada e estuprada.
Uma das vítimas, que não quis se identificar, afirma que está traumatizada. “Parece assim que eu vou reviver tudo novamente. Você fica assim, te dá um calafrio, a pressão cai, vem tudo à tona”, relatou.

A mulher trabalhava no comércio da família quando foi rendida pelo suspeito, no início de julho, na capital. O marido e o filho de 11 anos, que estavam no local, foram trancados em um cômodo, enquanto o criminoso cometeu o abuso. “Já pensou se ele tira a vida da minha esposa? Imagina uma situação igual nós passamos, cerca de 10 minutos na mira de um revólver, eu, minha esposa e meu filho?", desabafou o marido da vítima.

De acordo com a delegada, o último crime cometido pelo suspeito foi em 29 de julho, em um brechó do Setor Jardim Europa, em Goiânia. No dia da ocorrência, a Polícia Militar informou, com base no relato das duas vítimas, que ele entrou na loja, anunciou o assalto e as levou para o banheiro, onde cometeu o abuso. Em seguida, ele fugiu com R$ 100 e a aliança de uma das mulheres.
Do G1 GO

11 de ago de 2014

Suspeito de estuprar 16 mulheres é preso após infração de trânsito

Foragido do semiaberto, homem de 30 anos confessou os crimes, em Goiás.

Vítimas têm entre 12 e 45 anos e foram violentadas entre março e julho.




 A Polícia Civil apresentou, nesta segunda-feira (11), Dennes Rafael Gomes, 30 anos, suspeito de estuprar 16 mulheres, com idade entre 12 e 45 anos, entre março e julho deste ano, em Goiânia e Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana. De acordo com a investigação, em todos os casos ele anunciou assalto, mas duas vítimas não foram roubadas porque não possuíam pertences de valor. Foragido do regime semiaberto, ele foi localizado após cometer uma infração de trânsito e ser multado. Segundo a polícia, o suspeito confessou todos os crimes.
Responsável pela investigação, a titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), Ana Elisa Gomes, disse que uma testemunha anotou a placa da motocicleta que ele usava para cometer os abusos. Com o número, os agentes fizeram uma busca e encontraram uma multa de trânsito registrada por um fotossensor da Avenida  T-63 com a C 107, no Setor Jardim América.
Na imagem captada pelo aparelho, o homem estava vestido com o uniforme de uma vidraçaria do Setor Sudoeste, onde o criminoso foi detido, na sexta-feira (8). "Conseguimos fazer a prisão dele. Segundo os colegas de trabalho, uma pessoa tranquila, que não tinha uma postura ameaçadora, sempre muito simpático", relata Gomes.
A polícia procura um homem de 37 anos que ajudava Dennes a cometer os crimes. De acordo com a delegada, ele fornecia a motocicleta e a arma usada pelo criminoso. Gomes afirmou, ainda, que o comparsa também ficava com a metade do que era roubado.
"Em algumas ocorrências, ele foi partícipe dos crimes praticados pelo Dennes, mas em algumas situações ele deu cobertura para ele, ficava nas imediações do local onde era praticado o crime esperando o Dennes deixar o local. E em muitas dessas ocorrências emprestou a arma para que ele se garantisse nas práticas dos crimes", afirma a delegada.
Vítimas
Dennes cometia os crimes em diversos tipos de estabelecimentos, como panificadoras e clínicas de fisioterapia. Apenas um dos casos ocorreu em Aparecida de Goiânia, onde a proprietária de uma distribuidora de bebidas foi assaltada e estuprada por Dennes.
De acordo com a delegada, o último crime cometido por Dennes foi em 29 de julho, em um brechó do Setor Jardim Europa, em Goiânia. No dia da ocorrência, a Polícia Militar informou, com base no relato das duas vítimas, que o suspeito entrou na loja, anunciou o assalto e as levou para o banheiro, onde cometeu o abuso. Em seguida, ele fugiu com R$ 100 e a aliança de uma das mulheres.
Dennes, que cumpria pena no regime semiaberto pelo crime de estupro, disse à delegada que não voltou ao presídio logo após receber o direito, em setembro do ano passado. Por isso, Gomes acredita que ele tenha feito mais vítimas. "Acreditamos que há mais vítimas, com a prisão dele outras pessoas devem denunciar os abusos e identificá-lo", disse a titular da Deam.
Polícia localizou Dennis após imagem de multa de trânsito em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)
Polícia localizou Dennes após imagem de multa de trânsito (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)Do G1 GO

9 de ago de 2014

Juiz ordena exclusão de post que liga Cachoeira a Marconi em rede social

Imagem foi publicada em perfil de assessora e do 'Movimento Fora Marconi'.
Para Justiça, conteúdo faz 'associação indevida' entre bicheiro e candidato.


Página do Facebook publicava conteúdos considerados ofencivos a Marconi Perillo em Goiás (Foto: Reprodução/Facebook)Página do Facebook deve exluir exibição do post
(Foto: Reprodução/Facebook)
O Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE) determinou, liminarmente, que o Facebook suspenda a exibição da postagem intitulada "A face oculta do poder de Goiás" dos perfis de uma assessora política e do 'Movimento Fora Marconi'. A publicação relaciona o candidato à reeleição ao governo Marconi Perillo (PSDB) ao contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira.
Após serem notificados, o Facebook e os administradores das páginas têm dois dias para suspender a exibição do conteúdo. Caso as medidas sejam descumpridas, está prevista multa de R$ 5 mil por dia de exibição em cada página. A decisão cabe recurso.
Em nota, o Facebook informou ao G1 que "não comenta casos específicos, mas esclarece que está preparado para analisar todas as demandas da Justiça Eleitoral".
A administradora da página “Movimento Fora Marconi” e a assessora política não se pronunciaram sobre as decisões até a publicação desta reportagem.
As decisões foram tomadas na última quinta-feira (7) pelo juiz Rodrigo de Silveira. De acordo com as ações, a publicação se trata de uma imagem em que Cachoeira coloca (ou tira) uma máscara do rosto de Perillo. Para os advogados do político, a publicação induz que Cachoeira "governa por trás do candidato" e teria envolvimento com a máfia dos caça-níqueis, chefiada por Cachoeira.
Conforme o texto da ação proposta por Marconi, as declarações são "sabidamente inverídicas, transcrevendo injúrias, calúnias e difamações contra o representante [ Marconi], o que configuraria ataque à honra, à moral e à pessoa do mesmo".  O documento destaca, ainda, a "consequente possibilidade de contaminação da legitimidade das eleições estaduais".
Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa do Marconi Perillo não foi localizada para comentar o conteúdo das postagens.
O TRE explica que o caso não se constitui como censura, pois o que está sendo coibido na decisão é o excesso e também a calúnia ao ligar, sem provas, o político a um contraventor já condenado em primeira instância.
Do G1 GO

Polícia encontra jovem sequestrada dentro de caixa trancada em Goiás

Suspeito detido construiu o objeto com isolamento acústico: 'Cena de filme'.
Segundo polícia, homem estuprou a adolescente de 17 anos após dopa-la.


Polícia encontra jovem sequestrada dentro de caixa lacrada em Mineiros, Goiás  (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Caixa tinha isolamento feito com caixa de ovos
(Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Um dia após ser sequestrada, uma adolescente de 17 anos foi encontrada pela polícia presa dentro de uma caixa de ferro lacrada, em uma casa alugada especialmente para servir de cativeiro, em Mineiros, na região sudoeste de Goiás, na sexta-feira (8). Segundo as investigações, o suspeito do crime, um homem de 27 anos, conheceu a vítima pela internet e haviam iniciado um relacionamento amoroso. Ele foi detido pela polícia na residência onde mora junto com a esposa e um filho recém-nascido.
De acordo com o delegado responsável pelo caso, Júlio César Arana Vargas, após se conhecerem, eles haviam se encontrado apenas uma vez. Na tarde de quinta-feira (7), o suspeito foi até Portelândia, onde ela morava, a 30 km de Mineiros, e rendeu a vítima com uma faca na porta da escola onde ela estuda. A menina foi levada de carro até uma casa alugada especialmente para servir de cativeiro.
O próprio suspeito foi quem construiu a caixa e planejou o crime com detalhes. O objeto, que mede cerca de dois metros de comprimento por um de largura, era revestido internamente com caixas de ovos e isopor, que criava um isolamento acústico, evitando que gritos de socorro da jovem fossem ouvidos. Um cano foi colocado em um furo da caixa para que a vítima pudesse respirar.
Após investigação, o homem foi preso e indicou o lugar onde a garota estava. "Quando chegamos ao local, ela estava algemada e trancada dentro da caixa. Parecia cena de filme, aqueles em que o criminoso mantém a pessoa presa durante muito tempo sem que ninguém perceba", afirmou o delegado ao G1.
Segundo Vargas, durante a noite, o suspeito usou medicamentos para dopar a menor e a estuprou. À polícia, a vítima disse que não tinha mais intenção de manter o romance com o suspeito e acredita que ele não teria aceitado o rompimento.
O homem, que já tinha passagem por lesão corporal, está preso na cadeia de Mineiros. Ele foi autuado por estupro de vulnerável e sequestro e cárcere privado, podendo, caso seja condenado, pegar uma pena entre 10 a 23 anos.
Do G1 GO

8 de ago de 2014

Polícia prende jovem suspeito da morte de duas mulheres em Goiânia

Segundo delegado, ele tem passagens por assalto e formação de quadrilha.
Força-tarefa investiga série de assassinatos semelhantes na capital.


Delegado Deusny durante coletiva de imprensa, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Delegado Deusny Aparecido disse que jovem já
tem passagens pela polícia (Foto: Sílvio Túlio/G1)
A Polícia Civil prendeu, na noite de quinta-feira (7), um suspeito de envolvimento em dois homicídios contra mulheres praticados por motociclistas neste ano em Goiânia e que são investigados por uma força-tarefa da corporação. Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (8), o superintendente de Polícia Judiciária de Goiás, delegado Deusny Aparecido, não revelou quais os casos em que o homem detido teria agido nem a sua identidade, mas afirmou se tratar de um jovem que já havia cumprindo pena em Goiânia por outros crimes.
Uma força-tarefa criada na última segunda-feira (4) pela Polícia Civil está investigando a série de assassinatos cometidos contra mulheres este ano na capital. A polícia não crê na existência de um "serial killer", mas também não descarta a possibilidade.
Ainda segundo o delegado, o suspeito, que não teve a idade divulgada, estava em casa, mas o bairro onde a prisão ocorreu não foi relevado. No imóvel, foram apreendidas uma moto e vestimentas pretas, além de alguns capacetes, um deles, também de cor escura. Questionado sobre onde o jovem estaria detido, Aparecido revelou apenas que ele está em "uma das celas da capital".
De acordo com a polícia, o suspeito é ex-dentento do sistema prisional goiano e já tem uma extensa ficha criminal, com passagens pelos crimes de assalto e formação de quadrilha. Ele não é um dos envolvidos nas mortes que estava com ordem de prisão em aberto. Segundo o delegado, o pedido foi feito após a instituição da força-tarefa e acatado pela Justiça recentemente.
"Representamos pelos dois mandados de prisão após a criação da força-tarefa por acreditar que ele [o suspeito detido] tem envolvimento em dois dos casos investigados. Já o ouvimos e ele negou participação nos fatos, mas ainda é o principio da apuração e vamos ouvi-lo outras vezes", disse.
Força-tarefa
A força-tarefa da Polícia Civil investigava 18 casos ocorridos neste ano em Goiânia, mas na coletiva desta tarde o delegado descartou um dos crimes, que era uma tentativa de homicídio contra uma mulher. Entre os homicídios que continuam sendo apurados estão as mortes de 15 mulheres, a de um homem e uma tentativa de homicídio contra uma mulher.
"Sentamos junto com a investigação e concluímos que essa tentativa sequer aconteceu. Isso fez a polícia perder muito tempo e dinheiro em busca de um fato falso, prejudicando de sobremaneira nossa apuração. Agora, trabalhamos com 17 casos", destacou.
Participam do grupo de investigação 16 delegados, sendo os nove da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), três que atuam em outras delegacias e mais três do interior do estado. Além deles, 30 agentes e dez escrivães também integram o grupo.
Ana Lídia Gomes, 14, foi baleada e morta em ponto de ônibus (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Ana Lídia Gomes, 14, foi baleada e morta em ponto
de ônibus (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Série de assassinatos
O primeiro crime da série de assassinatos ocorreu em 18 de janeiro, quando Bárbara Luiza Ribeiro Costa, de 14 anos, foi executada por homens em uma motocicleta, no Setor Lorena Park, na capital. Na época, a polícia informou que eles roubaram o celular da vítima e fugiram.
A vítima mais recente foi a estudante Ana Lídia Gomes, de 14 anos, morta no último dia 2 deste mês por um motociclista em um ponto de ônibus do Setor Conjunto Morada Nova, na capital. Por causa das semelhanças dos crimes, o assassinato de Ana Lídia aumentou a desconfiança da população de que um assassino em série está agindo em Goiânia.
Segundo informações da Polícia Civil, os crimes tiveram dinâmica semelhante. Porém, de acordo com o delegado titular da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), Murilo Polati, as investigações apontam que as motocicletas usadas são de marcas e cilindradas diferentes, além das descrições físicas dos suspeitos não serem as mesmas.
O delegado explica que algumas das investigações indicam crimes passionais e outras apontam envolvimento das vítimas com consumo e tráfico de drogas. Entretanto, ele não dá detalhes para não comprometer os inquéritos.
Desde maio, quando surgiu a possibilidade de que exista um "serial killer" na capital, após uma mensagem de voz compartilhada pelo aplicativo de celular Whatsapp, a Polícia Civil tratava o caso como um boato. No último dia 3 deste mês, a corporação voltou a afirmar que não crê na possibilidade de que um assassino em série esteja agindo em Goiânia, mas admitiu, pela primeira vez, que não descarta a hipótese.
Do G1 GO

Polícia já tem retrato falado de suspeito de matar uma das vítimas de Goiânia

Entre janeiro e agosto, 15 mulheres foram mortas de forma semelhante por motoqueiro

Polícia divulga retrato falado de suspeito de matar mulher em GoiâniaMontagem/R7
A Polícia Civil divulgou o retrato falado de um homem suspeito de matar uma mulher em março deste ano, em Goiânia. Ana Maria Duarte, de 26 anos, foi assassinada na porta de uma lanchonete. Além dela, outras 14 mulheres já foram mortas de forma semelhante entre 19 de janeiro e 3 de agosto. Uma das linhas de investigação fala de um suposto assassino em série.  
A assessoria de imprensa da polícia informou que nenhuma possibilidade foi descartada. Mandados de prisão preventiva foram expedidos e suspeitos são investigados, mas a quantidade não foi divulgada para não atrapalhar o trabalho da polícia. A última morte foi da adolescente Ana Lídia de Souza, de 14 anos. A garota morreu no último sábado (3) enquanto esperava um ônibus.   
As vítimas tinham entre 13 e 29 anos, eram mulheres jovens, bonitas e mortas da mesma maneira em bairros nobres de Goiânia. O assassino chega de moto, sozinho. Ele aborda a vítima, que não tem tempo de reagir. O homem atira e fogo sem levar nada. A polícia ainda investiga a morte de um homem nas mesmas circunstâncias e a tentativa de homicídio de outras duas mulheres.   
R7

6 de ago de 2014

Polícia divulga retrato falado de suspeito de estuprar quatro mulheres

Crimes ocorreram em comércios de Goiânia; homem também roubou vítimas.
Ele é moreno claro, usa cabelos raspados e mede cerca de 1,60 metros.


Suspeito de estupros tem cerca de 1,60 metros
de altura  (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
A Polícia Civil divulgou na terça-feira (5) o retrato falado do suspeito de estuprar quatro mulheres na Região Metropolitana de Goiânia, em julho passado. De acordo com as investigações, o criminoso seguia em uma motocicleta e vigiava comércios pequenos e de pouco movimento antes de cometer os crimes. O homem é moreno claro, usa os cabelos raspados, tem aproximadamente 1,60 metro de altura e cerca de 30 anos de idade.

Segundo a polícia, o retrato falado foi feito a partir do depoimento das vítimas e também baseado em câmeras de segurança dos estabelecimentos comerciais onde ocorreram os crimes.

As investigações apontam que o homem cometia os abusos sexuais e também roubava dinheiro do comércio e pertences das vítimas, o que as leva a crer que os crimes foram provocados pelo mesmo suspeito. Em um dos casos, mãe e filha foram violentadas no estabelecimento de propriedade da família.

“O cara já entrou armado e falou que era um assalto. Ele perguntou onde tinha dinheiro e eu mandei minha menina buscar o dinheiro no caixa. Passou um pouco e ele não deixou eu sair do banheiro. Mandou eu tirar a roupa. Eu tirei e ele violentou minha filha na minha frente. Ela tem 12 anos”, relatou a mulher.

Ao todo, 56 casos de violência contra mulheres foram registrados pela polícia este ano, dois a mais do que o mesmo período do ano passado. Caso alguém reconheça ou tenha informações sobre o homem do retrato falado, pode fazer a denúncia pelo telefone 197.
Do G1 GO

Cadela tem parte da língua cortada em Pires do Rio, no sudeste de Goiás

Dono diz que estava viajando quando agressão ocorreu; animal sobreviveu.
Este é o segundo caso de violência contra cães na cidade em 30 dias.


Foto tirada por veterinário mostra lesão na língua
de cadela (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Uma cadela teve parte da língua cortada em Pires do Rio, no sudeste de Goiás. O dono do animal, Rubens Machado da Silva, afirma que estava viajando quando aconteceu a agressão e só percebeu que havia algo errado quando o cão demonstrou dificuldade em se alimentar e beber água. O responsável pelos maus-tratos ainda não foi identificado. Este é o segundo caso de violência contra um cachorro registrado em menos de 30 dias na cidade.

Rubens conta que ao retornar da viagem, no fim de julho, percebeu que a cachorra, chamada Pitchuca, estava magra e triste. “Eu abri a boca dela pensando que tinha uma espinha de peixe e vi a língua cortada”, disse. Para ajudar o cão a se hidratar, o dono utilizou uma seringua para conseguir colocar água na boca do animal.
Como os ferimentos não foram tratados no dia em que ocorreram, devido à ausência do dono, a lesão necrosou, sendo necessário amputar parte do órgão. “Quando a gente fez o exame clínico dela, ficou claro que teve uma tentativa de corte, foi um corte parcial. Em função dessa lesão, mais ou menos um terço da língua necrosou e teve que ser amputada”, explicou o médico veterinário José Ricardo Mansur. Após ser atendida, a cadela passa bem.
Para o profissional, os casos de violência contra animais que têm ocorrido no município precisam ser investigados de maneira urgente. “Tem que achar esse culpado de maus-tratos para ver o que está acontecendo por aqui”, disse Mansur.
Outro caso
No último dia 14 de julho, também em Pires do Rio, outro cão foi vítima de maus-tratos e teve as patas traseiras amputadas. Segundo informações da Polícia Militar, o animal foi encontrado se arrastando, sem as patas, pelo quintal da casa do dono, que acionou a corporação. O cachorro foi socorrido e encaminhado a uma clínica veterinária da cidade, mas não resistiu aos ferimentos.
Cachorro teve patas cortadas em Pires do Rio, Goiás (Foto: Divulgação/Polícia Militar)Cachorro teve as patas traseiras cortadas em Pires
do Rio (Foto: Divulgação/Polícia Militar)
De acordo com os policiais militares, no dia em que o animal foi achado ferido, um homem solicitou ajuda da PM afirmando que tinha chegado em casa após o trabalho e se deparado com o cão agredido. Ele afirmou que criava o cachorro e não sabia quem tinha sido o autor da agressão.
Ainda segundo a PM, os agentes identificaram, por marcas de sangue e relato de testemunhas, que as patas do cão foram cortadas em frente a uma casa localizada uma rua acima de onde ele foi encontrado.
A Polícia Civil investiga o caso e identificou o suspeito de ter cometido o crime, que é usuário de drogas, mas o homem nega ser o autor dos maus-tratos. Ele foi liberado após prestar depoimento à polícia, pois, segundo o delegado Eduardo Eustáquio, não há provas que o incriminem.
Do G1 GO
Postagens mais antigas → Página inicial